Normas de sustentabilidade abraçam a tecnologia SIG

O crescimento exponencial no uso de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para a sustentabilidade não surpreende. Quanto mais pessoas usam a tecnologia, mais potente ela fica. Além disso, oferece às comunidades de sustentabilidade uma plataforma direta e universal para que as pessoas se encontrem e usem o trabalho umas das outras como alicerce.

O SIG não é novidade para as normas de sustentabilidade, que têm explorado o poder de integração da tecnologia há algum tempo. A Rainforest Alliance [Aliança para Florestas Tropicais], por exemplo, criou um mapa interativo que mostra todos os locais atualmente certificados pelo projeto. Por sua vez, a Roundtable on Sustainable Palm Oil (RSPO) [Mesa Redonda para o Óleo de Palma Sustentável] criou um para pequenos produtores rurais na Indonésia.

Essas iniciativas individuais mostram que um SIG pode realmente ajudar as normas a avaliar o desempenho e impacto da certificação, combinando seus conjuntos de dados com outras camadas de dados relacionados ao desmatamento, escassez de água, educação, etc. Esse potencial é imenso: pinta uma imagem mais clara da realidade do solo e permite que os padrões ofereçam uma abordagem mais personalizada, que beneficia a todos os participantes da cadeia de suprimento, principalmente por poder deixar a certificação mais acessível aos pequenos produtores — uma prioridade dos membros da ISEAL.   

A Global Living Wage Coalition [Coalizão por Salários Mínimos Necessários Globais] e a Integrated Pest Management Coalition [Coalizão para a Gestão Integrada de Pragas] são dois exemplos claros da forte cultura de colaboração que permeia a ISEAL Alliance. O SIG não é exceção.

Desde setembro de 2017, com apoio do GIZ e em colaboração com a Global Forest Watch e a Rainforest Alliance, os membros da ISEAL estão aumentando sua capacidade de usar dados geoespaciais. Nos próximos meses, vão propor uma estratégia conjunta para a criação de um Atlas de Certificação, uma camada única de dados com a localização de operações certificadas no mundo todo.

Ao mesmo tempo, um grupo de membros da ISEAL recebeu uma verba do ISEAL Innovations Fund [Fundo da ISEAL para Inovações] para qualificar auditores para o uso de ferramentas do SIG na auditoria de sustentabilidade. Os resultados do projeto serão um manual e uma plataforma on-line para uma comunidade de auditores, com materiais para aprendizado à distância e um fórum para troca de experiências na aplicação de ferramentas do SIG na auditoria de sustentabilidade. Você é auditor de alguma norma de sustentabilidade? Então ajude-nos a entender o uso atual das ferramentas de SIG respondendo esta pesquisa rápida.

Se você se interessa pelo potencial do SIG para aumentar a eficiência e eficácia das auditorias e fortalecer o conjunto de provas para decisões de certificação, está com sorte. Planejamos uma masterclass sobre o assunto durante a Global Sustainability Standards Conference em São Paulo, em 23 de maio.

Junte-se a Alicia Bustillos, Diretora de Projetos na Accreditation Services International (ASI) na GIS masterclass: the power of mapping [Masterclass de SIG: o poder do mapeamento] durante a próxima Global Sustainability Standards Conference em São Paulo. Vamos falar sobre como os auditores usam as ferramentas de SIG hoje em dia, em que estágios da auditoria o SIG pode agregar valor e mostrar como uma plataforma customizada de SIG pode ajudar a detectar práticas ilegais.